Anjo!



"Para tudo por um minuto, deixa as tuas preocupações do dia a dia desaparecerem por um segundo e foca-te - Este post é grande mas conta uma história que todos deviam saber. Não é um conto de fadas mas sim a realidade, tal e qual como ela é. Sem barreiras, sem sombras - a verdade exposta à luz do dia. Talvez não leias tudo, pois "é demasiado grande" mas realmente, o sue será mais importante do que salvar a vida de uma criança? Lembra-te que uma criança diagnosticada com cancro luta durante meses, a maior parte das vezes, durante anos, sem se queixar. Prevalecem sobre todo o tipo de sofrimento e jamais desistem, portanto peço-te que tires 10 minutos da tua vida e leias isto - a "verdade".

"TU CONSEGUES"

Em dezembro de 2005, uma das minhas melhores amigas, a Marta, foi diagnosticada com cancro - Leucemia. Ela tinha dez anos. Sempre partilhamos uma amizade próxima e fenomenal e a ideia de que a minha amiga estava "doente" não fazia sentido. Tinha dez anos, mas desde esse momento, eu soube que não podia deixar crianças como eu, crianças como a Marta, sofrerem e lutarem tanto para se manterem vivas. Elas deviam estar lá fora a brincar nos baloiços ou a fazer corridas de carrinhos. Mesmo sendo tão pequena, sabia que um hospital não era um lugar onde eu gostaria de estar, e parecia tão fácil por-me na posição da Marta e perceber que tinha de haver algo que eu podia fazer.

Na mente inocente de uma criança de dez anos, uma amiga está doente, mas só por breves momentos. Está doente, mais vai melhorar. Está doente, mas não é necessário haver uma grande preocupação porque ela é forte como um super herói, e nos olhos de uma criança de dez anos, as crianças não morrem. Mas as crianças morrem. E morrem todos os dias. Só nos Estados Unidos, pelo menos 46 famílias ouvem as palavras "O seu filho tem cancro" e 7 crianças respiram pela última vez, todos os dias. Isto é mais do que duas salas de aula juntas. Se um assassino entrasse numa escola e disparasse sobre duas salas de aula, matando dezenas de crianças inocentes e indefesa, estaria em todos os noticiários. As pessoas iriam começar um movimento, e parariam realmente os seus dias para pensar sobre isso, e apreciar muito mais a vida, mas acima de tudo - as pessoas iriam sentir a necessidade de causar uma mudança. Porque os assassinos têm de ser presos, e as nossas crianças têm de ser protegidas e mantidas sãs e salvas.

E agora pergunto-me… O que será o cancro pediátrico se não o maior assassino? É o maior "serial killer" de crianças do século XXI, em todos os países desenvolvidos. E mesmo dizendo isto, e o governo sabendo de tantos casos, centenas deles, todas as semanas em 365 dias, apenas uma porção mínima dos fundos governamentais vão directamente para encontrar uma cura - é quase insignificante.

Onde estão os fundos? Onde está a pesquisa? Onde estão os novos tratamentos menos dolorosos e menos radicais para as nossas crianças quando os tratamentos usados hoje em dia foram convencionados há mais de 20 anos atrás, e pouco avanço tem havido? E PORQUE. Porque que este assassino está em fuga, e porque que estas famílias têm de se sentar na cabeceira da cama dos seus filhos, dizendo-lhes que está tudo bem, que podem partir, quando para sermos sinceros - NÃO está tudo bem, e NÃO, não podem partir. E enquanto morrem centenas de crianças todas as semanas, temos médicos e cientistas dedicados cujas mentes poderão guardar a peça desaparecida do puzzle, que querem fazer a diferença mas não lhes é possível pela falta de recursos. Temos as ferramentas, temos os cérebros para isso - apenas não temos dinheiro, e essa é a razão pela qual as crianças continuam a morrer com cancro todos os dias - não há dinheiro suficiente. É cruel pensar que tudo se resume a isto e que uma família é quebrada para sempre devido ao facto dos nossos governos não aumentarem os fundos para as pesquisas, mas esta é simplesmente verdade.

Quando uma criança morre, elas estão a perder uma vida inteira de oportunidades, sonhos e planos. Estão a perder o primeiro beijo, o discurso de fim de curso, os anos de universidade, os momentos incontáveis com família e amigos, o dia em que se casam e a oportunidade de ter uma família própria por quem olhar, mas acima de tudo - estão a perder as suas vidas preciosas. Estão a perder tudo, e estão a ser forçadas a se despedirem das suas famílias porque não há mais opções. Independentemente do seu desejo de continuar a viver, isso é-lhes roubado para sempre.

Quando tens 10 anos, na flor da idade, não sabes que as crianças morrem, muito menos milhares delas todos os dias. Mas o que mais me preocupa é o facto de haver demasiados adultos que também não o sabem. O público está inconsciente desta situação catastrófica, pois não lhes vai acontecer o mesmo… Mas será isso verdade? O cancro pediátrico NÃO É RARO como muitas pessoas acreditam que seja. Pode acontecer a qualquer um, a qualquer hora, apenas tens de ser uma criança.

Mas não deveríamos todos fazer a diferença para que as crianças consigam sobreviver e viver por uma vida longa? Não deveriam comunidades inteiras tomar uma posição? Porque estão os pais, famílias e amigos destas crianças a lutarem sozinhos pelos filhos de todos? Não só pelos filhos deles, mas sim por cada criança que existe no mundo. Lutar sozinho é a luta mais cruel e injusta. Efectivamente, a humanidade já viu como tudo muda para melhor quando milhares de indivíduos se juntam para um objectivo comum. Se usarmos o nosso poder fenomenal para sermos as vozes das nossas crianças, haverá ESPERANÇA.

Ler as estatísticas mostrando uma verdade dolorosa, que milhares e milhares de crianças morrem todos os anos com cancro, é devastador. Mas o que é ainda mais devastador, é saber que a Marta está nas estatísticas. Aceitar o facto de que nunca estarei com ela nesta vida. Que continuarei a viver e a crescer, sabendo que os seus sonhos nunca se realizarão, que nunca será uma bailarina e que nunca correrá descalça no campo de futebol, ao redor de um sistema de rega, em dias quentes de verão, como ela adorava fazer. Estas são as coisas simples mas mais significativas que me lembrarei para sempre.

Assim, decidi fazer da minha própria tragédia ao perder alguém que tanto adoro, algo extraordinário, que ajudaria realmente os filhos de alguém, as nossas crianças, e deixasse este mundo um pouquinho melhor, algo que com união e força, é possível. Algo que todos podemos fazer.

O dia em sue vi a cara da Marta pela primeira vez, foi "amizade" à primeira vista. O seu riso, a sua voz doce e melodiosa e o brilho do seu sorriso tocaram-me tão profundamente. Infelizmente, a Marta está nas estatísticas que ninguém quer ler nem reconhecer, mas enquanto as pessoas ignorarem a verdade, enquanto o cancro pediátrico continuar um taboo e for ignorado por deixar as pessoas "desconfortáveis", não haverá uma cura, e mais e mais crianças irão MORRER e mais famílias serão despedaçadas, algo sem retorno e impossível de ser recuperado. Não há como consertar um coração partido de um pai ou mão que têm de enterrar o seu próprio filho, após uma luta tão corajosa e igualmente dolorosa.

Eu espero que com isto, com esta pequena introspecção, algo pode mudar na mente das pessoas e faze-las querer mudar esta realidade. Não apenas querer, mas faze-lo verdadeiramente. Pois a verdade é que basta acreditar no nosso poder, e CONSEGUIREMOS.

Partilha isto com amigos e familiares e mostra-lhes a VERDADE.

Tens o poder nas tuas mãos para que HAJA UM FUTURO para as nossas crianças.

Obrigada,
Inês Carrola.

Foto do post: Talia Castellano - Angels for Talia"

9 comentários:

  1. por acaso também gostei do texto, estava mesmo inspirada. Escrevi-o era 2h30 da manhã *.*
    espero que sim :)

    ResponderEliminar
  2. Um texto chocante, e que aborda uma doença que eu desconhecia.
    Gostei do teu blog, sigo *

    ResponderEliminar
  3. é quando estou mais inspirada, é á noite *.*

    ResponderEliminar
  4. Abre mesmo, foi escrito de uma forma que chega ao coração.
    Eu também, sou uma viciada em Coldplay ((:

    ps. obrigada por seguires*

    ResponderEliminar
  5. é tão bom escrever, faz-me sentir livre *.*

    ResponderEliminar
  6. é tão bom escrever, faz-me sentir livre *.*

    ResponderEliminar
  7. então és como eu, a menina foi ao optimus alive. Sortuda :)

    ResponderEliminar
  8. gostava tanto de os ter visto !!
    Arctic Monkeys, claro :D

    ResponderEliminar